domingo, 12 de setembro de 2010

Cão ou gato?

Definitivamente morar sozinha não está me fazendo tão bem quanto eu imaginava que faria.
Eu pensei em adotar um cão, na verdade uma cadela, nada contra o sexo masculino dos cães, mas eles urinam por todos os cantos naquela triste mania masculina [que não se restringe aos cães] de marcarem ou tentarem marcar território mostrando virilidade e deixando um rastro de fedor; as cadelas por sua vez são, ou deveriam ser mais delicadas, discretas e higiênicas, contentam-se em urinar no mesmo local sempre [o que também não me parece se restringir somente aos cães ¬¬].

Procurei em locais especializados, com cães para adoção, mas todos sempre me pareceram TUDO demais; famintos demais, carentes demais, com vermes demais [blééhh] e que ficariam grandes demais.

Mas, quando uma amiga deixou a pequena Luna [que apelidei de Lunática] no meu apartamento eu notei que cães são lindos, amáveis e quase insuportáveis de se conviver em um apartamento.

Cães em apartamentos tornam-se estranhamente maniáticos ou maníacos, seria a palavra correta, ainda não sei. A falta de espaço os deixa completamente elétricos e a ausência do dono que trabalha [meu caso!] torna-os completamente carentes; carentes de uma forma perigosa; eles pulam, choram, latem, uivam, lambem tudo que puderem, rasgam tudo que alcançarem, sobem em tudo que for “subível” e não for também.

No dia em que cheguei em casa e a cadelinha estava com uma rodela de tomate na cabeça e todo lixo da casa espalhado por partes que nem eu conhecia do meu lar, eu decidi que cães,só quando houver um espaço admissível para que ele faça tudo o que quiser sem me atingir, ao menos não diretamente.

Os cães têm uma necessidade constante de carinho que se acentua naqueles que não estão em um local favorável para que gastem toda a vontade de viver e eu definitivamente não sei lidar com carência crônica, ainda mais canina; que demonstra com mordidas e lambidas nada estimulantes.

Eu pensei então em pegar um gato, na verdade gata, pelo menos motivo da não escolha do cão macho, potencializado pelos barulhos em época de cio, que são realmente atordoantes. [TODOS A FAVOR DA CASTRAÇÃO!!!]

Gatos têm personalidade, são independentes, não são falsos nem fáceis de agradar, se querem ficar perto de você, eles simplesmente ficam e se não querem, não importa o que você ofereça, eles NÃO ficam. E eu gosto disso. Mas os gatos têm pêlos [duuur...] e pêlos que insistem em não permanecer no corpo deles. Eles vomitam bolas estranhas, cabeludas e gosmentas sem muita cerimônia, podem fazer isso na cozinha, no banheiro e/ou no seu travesseiro. Um gato em apartamento definitivamente não parece algo saudável se você tem edredons fofos como é meu caso, ou estofados que parecem gritar: RASGUE-ME.

Minha mãe me presenteou com uma flor, de plástico ¬¬², porque me conhece suficientemente bem para saber que se ela fosse um ser vivo, morreria; literalmente seca.

Plantas não gritam, não choram, não falam e nem lhe agridem quando querem água, eu jamais vou lembrar-me de regar uma planta a menos que ela grite comigo. Concordamos que ela morreria não é?

3 comentários:

BLOG do PROVINCIANO disse...

clap clap

Ju . disse...

hahaha, muito bom!
lembrando do rolo de papel higiênico e também do tapetinho do banheiro!
enfim maninha... a Luna está mais 'calma' agora.. não sei se é pq to sempre em casa, ou pq o ape é maior!
acho melhor tu continuar com a tua plantinha de plástico!!!

SaMeR disse...

compra um periquito, caturrita, eu ganhei uma caranguejeira.. esses tipo de bicho sao agitados mas num espaco limitados, e ainda cantam..
sao otimos para apartamentos huahuahauhauhauah...