quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Breves momentos...

Então, após um longo ano exercendo esta “gratificante” profissão de educadora, eu desenvolvi, entre tantas outras coisas; uma alergia fantástica ao giz. Não aquelas que o corpo fica cheio de pintinhas e coceiras, mas aquela alergia que te faz espirrar, várias vezes, em sincronia carnavalesca.

Depois de espirrar vááárias vezes durante um dia inteiro eu consegui listar breves momentos que deveriam ser comuns, mas se tornaram complicados porque, aparentemente, os espirros não escolhem momentos apropriados para vir à tona. Acredito que exista um pouco de castigo em cada espirro, porque dificilmente eles ocorrem em horas que você está só e apto a concebê-los.

Vamos à lista:

1. Avalie a seguinte situação:

Você passa o conteúdo no quadro, suas mãos estão cheias de giz e você não tem como tirá-lo dali.

Logo, durante a explicação; vem aquela vontade de espirrar e, bitolado pelas boas maneiras que lhe foram repetidas como um mantra durante a infância, você logo leva a mão cheia de pó ao nariz, o que desencadeia três espirros extremamente rápidos e vergonhosos. Trinta minutos depois, quando você finalmente for ao banheiro, perceberá que há mais giz no seu rosto do que maquiagem em cara de palhaço. ¬¬

2. Espirrar dirigindo:

Aos pulos de desespero, você sente aquela vontade de espirrar que faz arder por dentro e os olhos irem automaticamente se fechando, você está no trânsito, é uma luta contra manter os olhos abertos e arriscar que eles saiam de órbita e consequentemente você morra ou rezar para que a força da natureza não lhe force a pisar no acelerador e fazer um arrastão na avenida movimentada.

Espirrar urinando:

Una o prazer inenarrável de ir ao banheiro depois de sua bexiga ter triplicado de tamanho, com o prazer de um belo, forte e escandaloso espirro.

Ahhhhh, nada sobrevive a isso; bactérias que por ventura estivessem esperando para invadir a sua uretra e lhe causar uma infecção urinária vão se sentir como se estivessem em Hiroshima e Nagasaki no momento do grande impacto, e com prazer você dá a descarga e como exterminador de procariontes asquerosos você diz: Hasta La vista baby! ( Ninguém em sã consciência faz isso, mas se você fizer, vai rir).

4. Espirrar comendo arroz:

A arte milenar de lançar grãos de arroz como se fossem balas de fuzil.

Além de nojento, porque os grãos vão para algum lugar e geralmente é para o prato imediatamente à sua frente, é muito dolorido. Tente segurar, embora isso possa ocasionar um rompimento de vasos sanguíneos no cérebro.

Um comentário:

Suely Aymone disse...

Giz mais rinite = dez espirros em sequência!

E os alunos te olhando...

No final do ano, já tão acostumados, nem ligam mais...

Vez em quando um "saúde, sora!"

Adorei!

Beijos!