sexta-feira, 31 de julho de 2009

"...máscaras de oxigênio cairão? Pra quê?"


É isso aí... Minha grande estréia no mundo aéreo. Não que eu não visite com frequência o mundo aéreo, mas só o da minha imaginação, fisicamente será a minha "primeira vez", e como diz o ditado: "A primeira vez a gente nunca esqueçe [isso é um ditado?]". By the way, estou pateticamente borrada de medo, para não falar outras coisas. Eu amo viajar, acho lindo, magnífico o fato de conhecer outro lugar e interagir de forma tão intensa que jamais se volta a ser o mesmo depois de uma troca física de emoções, cultura, cores, sotaques. Ficou bonito isso né? O problema é o meio de transporte até o momento mágico. A essência da minha vida é achar os pontos sacanas de cada coisa a que somos forçados enfrentar. O ônibus, com aquele banheiro compacto e ponto de cultivo gigante de bactérias das mais indeterminadas espécies. E o avião, há Dumont, Dumont, voar. Que lindo, aquele mega, super, hiper, ultra "pássaro" gigante atravessando os céus, cortando as nuvens com a graça de uma tesoura na mão de uma criança completamente descoordenada.
Quando criança eu aprendi a fazer aviões de papel e acredite, a lei implacável da gravidade SEMPRE me mostrou que pelas minhas mãos, se dependesse dela, NADA voaria.

Com o tempo, eu me apeguei a terra como uma mandioca, cada vez mais na terra!!!
E então o implacável mundo dos estudos me apronta essa, voe até Minas Gerais. Interessante como, após uma semana de passagens compradas eu comecei a assistir no mínimo 3 vezes na semana reportagens relembrando as maiores tragédias da aviação mundial, e eu realmente comecei a me frustrar e perguntar "Por quê cargas d'água eu não optei pelo ônibus?". É a agilidade realmente foi o fator predominante na escolha do meio de transporte, afinal, ônibus, de Uruguaiana até Lavras, eu teria que descer numa cadeira de rodas, esqueceria como usar as pernas. Então, voar é a minha missão de domingo, quer dizer, não vou voar literalmente afinal minha aerodinamina está mais para um hipopótomo que para uma ave elegante, mas enfim, o avião voará e com muita sorte, eu, dentro dele, conseguirei manter a sanidade e não liberar toda bacudisse que existe dentro de mim, a essência gaúcha que insiste em se manifestar nos momentos críticos e completamente insanos da vida. Afinal, VOAR?
Cacete, qualquer um com um pouco de discernimento sabe que isso é um desafio físico e psiquico! Mas tudo bem, eu consigo me ver: "adri. 1,57 cm de altura, ?kg, rumo ao portão de embarque e aquele gigante lá, me esperando, os pés viram pra trás e o cérebro força-os a andar rumo a grande máquina de todos os tempos \o/." Ah será patético, seria digno de uma comédia, podem rir... É, eu sei, uma grande fiasco, afinal é o meio de transporte mais seguro [dizem!], mas o fato é que agora, apenas algumas horas antes do meu passeio aéreo eu estou mais calma, ou resignada seria a palavra correta.
Eu pensei em inúmeras tragédias cotidianas que poderiam me acontecer e a minha mãe não colaborou muito com minha auto estima, me alertando para fatos como:
"Tu esquece tudo, não vai deixar a bolsa no banheiro de aeroporto!"
"Não aceita ajuda de NINGUÉM! Seja antipática! Aeroportos tem a maior concentração de maníacos, marginais, espertalhões [ela me chamou de abostada né?]"

Eu pensei:

"Extraviu de bagabem! [affe!]"
"Tropeçar ao entrar no avião. [típico de mim!]"
"Rir em momentos inadequados, como "máscaras de oxigênio cairão". [por quê? vocês tem tanta certeza de queda?]"
"Dor de barriga. [pateticamente EU]"
"Perder-se no aeroporto! [Com certeza sou eu!]"
"Distrair-se com a revista e esquecer de olhar a tabela do voo! [Se isso acontecer vou interpretar como um sinal do céu!]"
Mas enfim, vamos ver no que dá! Desejem-me sorte, calma, saúde mental e física e quem sabe eu trago um presentinho pra quem comentar aqui!
Beijos a todos!

FUI!

2 comentários:

Profe Suely disse...

Oi, Adri!

A essas alturas (heheheheehe!!! trocadilho infame!!) deves estar em Minas, uai!!!

Sorte! Bons estudos!

O que vale na vida é isso: novidades!!!

Que esse voo sirva como metáfora para tua vida... muito frio na barriga, muitos desafios e coragem para enfrentá-los... e sucesso!!!

Primeiro voo: especialização; depois, mestrado, doutorado...

Beijos!

Adorei teu texto. Aliás sempre gosto de ler teus escritos... surpreendentes!

Ah! vou cobrar o presente!

Gil Sampaio disse...

Só passei pra ver se tinha atualizado e queria deixar um oi. Oi! beijo e boa semana.